"Dai gratuitamente o que gratuitamente recebestes."

Os médiuns atuais - pois que também os apóstolos tinham mediunidade - igualmente receberam de Deus um dom gratuito: o de serem intérpretes dos Espíritos, para instrução dos homens, para lhes mostrar o caminho do bem e conduzi-los à fé, não para lhes vender palavras que não lhes pertencem, a eles médiuns, visto que não são fruto de suas concepções, nem de suas pesquisas, nem de seus trabalhos pessoais. Deus quer que a luz chegue a todos; não quer que o mais pobre fique dela privado e possa dizer: não tenho fé, porque não a pude pagar; não tive o consolo de receber os encorajamentos e os testemunhos de afeição dos que pranteio, porque sou pobre. Tal a razão por que a mediunidade não constitui privilégio e se encontra por toda parte. Fazê-la paga seria, pois, desviá-la do seu providencial objetivo.

(O Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo 26 Item 7)

Sobre o Instituto Pirâmide

( Novembro de 2014 )

Carta Pública Irmão Ramatís

O Instituto Pirâmide, situado no Rio de Janeiro, tem origem na iniciativa de um grupo de médiuns, amigos de longa data, que decidiram reunir esforços no sentido de compartilhar gratuitamente conteúdo espiritual de natureza mediúnica, psicografado por seus membros.

No início da caminhada, o Espiritismo foi a ferramenta utilizada para a formação do alicerce de conhecimentos. No entanto, como o grupo possuía, já em sua origem, uma abertura mental e também perfil proativo e questionador - o que permitiu o desenvolvimento de estudos mais aprofundados em parceria com a equipe espiritual que o orienta -, foi possível a absorção de conhecimentos espirituais oriundos de outras formatações ou denominações religiosas, de sorte que, atualmente, o grupo caminha em direção à consciência cósmica, livre de quaisquer amarras.

Posteriormente, quando o grupo já possuía algumas obras psicografadas em seu acervo, porém ainda não disponibilizadas ao público, por qualquer meio, surgiu a ideia do compartilhamento genuinamente gratuito de que trata o “Evangelho Segundo o Espiritismo”, no capítulo XXVI, item 7.

A partir dessa resolução, o projeto inicial ganhou apoio mais amplo da espiritualidade, através da participação de outros espíritos que originalmente não integravam a equipe de mentores responsáveis pelo grupo, espíritos estes que entendem a relevância do “dar gratuitamente” e da liberdade de transmitir seus conhecimentos através de medianeiros diversos, sem os óbices impostos pelas conveniências do mercado editorial.

O objetivo consiste, ainda, em estimular comportamentos semelhantes por parte daqueles que compartilhem desse entendimento, através da sinceridade de propósitos, possibilitando acesso universal ao conhecimento. E, também, em incentivar todos os médiuns, conhecidos ou não, a abrirem-se ao contato com espíritos de maior envergadura, que através deles queiram disponibilizar suas mensagens.

O espírito sopra onde quer, não sendo ele marca de propriedade de instituição transitória alguma.

Sabemos que não somos missionários, nem mesmo as melhores ferramentas à disposição da espiritualidade, entretanto nossa paz consciencial reside na sinceridade de propósitos e verdadeiro desinteresse personalístico.

Em reforço ao aqui exposto, segue abaixo o link da carta pública de esclarecimento de autoria do irmão Ramatís.